COMERCIALIZAÇÃO APENAS COM RECEITA

Fórmula:

Cada 10 mL contém:
Cloridrato de ketamina (equivalente a 1,0 g de ketamina base).............1,16 g
Veículo q.s.p.................................................................................... 10,00 mL

Indicações:
A ketamina está indicada na anestesia de todos os tipos de intervenções cirúrgicas, a partir da escolha da pré-medicação, inclusive cesarianas e cirurgias de alto risco. Sua utilização é particularmente recomendada nas cirurgias de curta duração e emergenciais, assim como na contenção dos animais domésticos e silvestres.
 

Dosagem:
A posologia deverá ser calculada segundo o paciente, via de administração e a pré-medicação, que deve ser adaptada ao tipo de intervenção.

Espécie animal Dose/Kg de peso mg de Ketamina por Kg de peso Via de aplicação
Cães e 0,05 a 0,08 mL/kg 5 a 8 mg/kg Intravenosa
gatos 0,15 a 0,2 mL/kg 15 a 20 mg/kg Intramucular

Bovinos 0,05 mL/kg 5 mg/kg Intravenosa
0,15 mL/Kg 15 mg/kg Intramucular

Ovinos e 0,02 a 0,025 mL/kg 2 a 2,5 mg/kg Intravenosa
Caprinos 0,1 a 0,2 mL/kg 10 a 20 mg/kg Intramucular


Equinos 0,03 a 0,05 mL/Kg 3 a 5 mg/kg Intravenosa
0,15 mL/Kg 15 mg/kg Intramucular

Suínos 0,05 mL/Kg 5 mg/kg Intravenosa
0,15 a 0,2 mL/Kg 15 a 20 mg/kg Intramucular

Primatas 0,01 a 0,5 mL/Kg 1 a 50 mg/Kg Intravenosa
0,05 a 0,2 mL/Kg 5 a 20 mg/Kg Intramucular

ANIMAIS SELVAGENS

Peso do animal dose/ Kg de peso mg de ketamina por Kg de peso via de aplicação
1 kg 0,1 mL/Kg 10 mg/Kg Intravenosa
6 Kg 0,07 a 0,08 mL/Kg 7 a 8 mg/Kg Intramuscular
15 Kg 0,12 mL/Kg 12 mg/Kg Intramuscular
+20 Kg 0,15 a 0,18 mL/Kg 15 a 18 mg/ Kg Intramusuclar

ANIMAIS DE LABORATÓRIO

Espécie Animal dose/Kg de peso mg de ketamina por Kg de peso via de aplicação
Cobaias 0,1 mL/Kg 10 mg/Kg Intravenosa
1 a 2 mL/Kg 100 a 200 mg/Kg Intramuscular

Hamsters 0,15 mL/Kg 15 mg/kg Intravenosa
2 mL/Kg 200 mg/Kg Intramuscular

Coelhos 0,15 a 0,2 mL/Kg 15 a 20 mg/Kg Intravenosa
0,2 a 0,25 mL/Kg 20 a 25 mg/Kg Intramuscular

Ratos 0,1 mL/Kg 10 mg/Kg Intravenosa
1 mL/Kg 100 mg/Kg Intramuscular

Camundongos 0,35 mL/Kg 35 mg/kg Intravenosa
1 mL/Kg 100 mg/Kg Intramuscular

Pássaros (pré medicação)
0,12 a 0,2 ml/Kg de peso= 12 a 20 mg/Kg de peso pela via intramuscular, segundo a duração da intervenção.

Administração:
A via de administração e a pré-medicação, que deve ser adaptada ao tipo de intervenção.

OBSERVAÇÕES GERAIS:
As dosificações usuais devem ser individualizadas para satisfazer cada situação. A ketamina pode produzir vômitos após sua administração. Para evitar a possível aspiração do vômito, a ketamina deve ser administrada no animal com o estômago vazio.
Antes da indução da anestesia , recomenda-se administrar atropina, escopolamina ou outro dessecante, devido ao fato de que a ketamina aumenta as secreções das glândulas mucosas traqueo-bronquiais e salivares.
A ketamina pode ser administrada por via intramuscular ou intravenosa. Esta última proporciona uma anestesia mais rápida do que a via intramuscular. A administração da ketamina, em sobredosagem ou aplicada muito rapidamente, pode produzir depressão respiratória, apnéia e hipertensão.
A administração intravenosa deve ser realizada em um período de 1 minuto, a menos que se utilize uma técnica de indução de seqüência rápida. Depois de repetidas aplicações, pode haver tolerância aos efeitos da ketamina.
Durante a recuperação, pode-se produzir um estado de convulsão. Tem-se sugerido que, minimizando a estimulação táctil e visual durante a recuperação, pode-se reduzir a incidência das reações de emergência. No entanto, não se tem demonstrado a eficácia destas medidas.
A administração prévia ou simultânea da ketamina com um benzodiazepínico pode diminuir a incidência de delírio.

Precauções:
CONTRA INDICAÇÕES, PRECAUÇÕES E REAÇÕES ADVERSAS:
Reprodução e gestação: 
Estudos realizados em animais não demonstraram efeitos negativos na fertilidade ou concepção e, embora a ketamina atravesse a barreira placentária, não foram observados efeitos teratogênicos.

Interações medicamentosas e/ou problemas associados:
As seguintes interações medicamentosas da ketamina com outros medicamentos foram relacionadas em função de sua possível importância clínica. Associações que contenham quaisquer dos seguintes medicamentos, dependendo das quantidades presentes, poderão interrelacionar-se com a ketamina:
- Anestésicos orgânicos hidrocarbonados por inalação, tais como: enfluorano, halotano, isofluorano e metoxifluorano, já que os anestésicos halogenados por inalação podem prolongar a vida média de eliminação da ketamina.
- Antihipertensivos: medicamentos que produzem depressão do SNC, incluindo aqueles que se utilizam, comumente, como medicação pré-anestésica ou para indução, suplementação ou manutenção da anestesia. O seu uso simultâneo com ketamina, especialmente se administrado em doses elevadas ou de forma muito rápida, pode aumentar o risco de hipotensão e/ou depressão respiratória.
- Hormônios tireóideos: deve-se administrar a Ketamina com precaução em animais que recebem hormônios tireóideos, devido ao risco de hipertensão e taquicardia.
- Interferência no diagnóstico: o uso de ketamina pode interferir nos parâmetros fisiológicos do animal, como, por exemplo, causar um aumento da pressão do líquido cefalorraquideano (LCR) e da pressão intraocular.
- Problemas clínicos: a ketamina não deve ser usada quando os seguintes problemas clínicos estiverem presentes: qualquer situação em que uma elevação significativa da pressão arterial seja considerada perigosa, como por exemplo enfermidade cardiovascular severa, insuficiência cardíaca, hipertensão severa ou não controlada, histórico de trauma cerebral.
- A relação risco-benefício deve ser avaliada nas seguintes condições: descompensação cardíaca, lesão ocular, globo ocular aberto, hipertensão leve não complicada, aumento da pressão do líquido cefalorraquideano (LCR), aumento da pressão intraocular, estados tiratóxicos (a ketamina aumenta o risco de hipertensão e taquicardia).
É muito importante a monitoração da função cardíaca, principalmente em animais com cardiopatias ou descompensações cardíacas.

Efeitos adversos e secundários:
Durante o uso da ketamina, alguns efeitos adversos ou secundários podem ocorrer e deverão ser levados em consideração, em função da real importância clínica. Dentre eles, requerem atenção do Médico Veterinário: aumento da pressão arterial, hipotensão, bradicardia, dispnéia, vômitos depois da administração e movimentos musculares incontrolados.

TRATAMENTO DOS EFEITOS ADVERSOS:
O tratamento adequado dos efeitos adversos pode incluir:
- Para a depressão respiratória ou apnéia: a respiração mecânica assistida é preferível à administração de um analéptico.
- Para a reação severa de emergência: administrar um barbitúrico de ação curta ou ultra-curta.

MANTENHA ESTE OU QUALQUER OUTRO MEDICAMENTO FORA DO ALCANCE DE CRIANÇAS E ANIMAIS DOMÉSTICOS. CONSERVAR O PRODUTO EM LOCAL FRESCO E SECO, AO ABRIGO DA LUZ SOLAR.
VENDA SOB PRESCRIÇÃO OBRIGATÓRIA E APLICAÇÃO SOB ORIENTAÇÃO DO MÉDICO VETERINÁRIO CONFORME INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 36 DE 07/06/2002

Pague com
  • Mercado Pago
  • Mercado Pago
Selos
  • Site Seguro

CLIVAPEC AGROPECUARIA EIRELI - CNPJ: 68.351.634/0001-22 © Todos os direitos reservados. 2020